A trilha sonora da vida devia ser Yann Tiersen

E eu vou provar pra vocês.

O Big Yann é o compositor lindo-fofo-túdico das trilhas sonoras mais fofas do universo – empatado, talvez, com o óingo-bóinguico Danny Elfman embora o Tiersenzinho da mamãe tenha uma ligeira vantagem. Não só tem uma baita fama na França, como também é reconhecido mundialmente pela suas discretas semelhanças com o Neil Gaiman músicas que aparecem em “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”. Foi assim que eu conheci o moço – e quem num conhece vai conhecê-lo também.

Bora? =D As músicas estão na ordem da trilha sonora do CD, porque pra mim fazem algum sentido desse jeito, mas ó, pode reordenar como cê quiser, ok? A trilha sonora da sua vida é, bom, sua, néam.

J’y suis jamais allé é pra começar o dia. A preguicinha de levantar, as cobertas caindo no chão e a pia do banheiro dando aquele alôu pra você. O fim da música bate certinho com o momento em que você percebe que seu cabelo adquiriu vida própria na noite anterior – e foi à uma festa de arromba, por sinal.

Le jours tristes é absolutamente perfeita pro trajeto até o trabalho – ou pra facul, que é o meu caso. As árvores passando fora do carro, um leve tédio… até que os raios de sol fecham seu olho batem no seu rosto e você sente que tá acordado… e vivo =). Dá uma vontade absurda de levantar da cadeira e sair pedalando pela cidade – esse vídeo num tá à toa aí não, paixão.

La Valse d’Amélie? Tão simples. Você tá andando – talvez chegando de vez na faculdade, naquele trajeto curto à pé que não dá pra ir de carro – e de repente encontra uma nota no chão, aquela pessoa no corredor, recebe a carta de um amigo. E tudo começa a fluir mais devagar, em câmera lenta, como se aquele momento fosse muito perfeito pra existir. Ah, eu sou uma babaca romântica babaca. =)

O vídeo de Comptine d’un autre eté tá meio nada a ver, mas a música é… nossa. Você sabe do que eu tô falando. São poucos momentos na vida que pedem essa música – raríssimos, tristíssimos às vezes. Uma chuva, uma janela e, quiçá, um caderno.  Tá feito o estrago. *limpa as lagriminhas*

La Noyeé vem te salvar de Comptine. Você sabe que tudo vai ficar bem, né? A vida continua. E tão rápida quanto foi, a tristeza vai embora, bruscamente – que nem o fim da música. 🙂

L’Autre Valse d’Amélie te chamou pra brincar e você foi. Não dá pra resistir quando ela chama. Toda bem humorada que é, vai contar piadas e te colocar no colo. Ela sabe pelo que você passou e está orgulhosa de te ver ali. E agora vai te levar pra ver o circo e comer donuts. Você merece.

A vida é outra agora. Você voltou à ativa e quer esquecer o que passou. À Quai tá louquinha pra ir pro campo – por que não? Dá muita voltade de soltar a Noviça Rebelde em você e ir saracotear por Salzburgo com roupas de brincar. É um recomeço. Tristeza é sooo last season!

Ele (ou ela) olhou, não olhou? Mas… ué. Você podia jurar que olhou. Mas será que…? Arrá! Olhou de novo. Olhou sim. Arrárrá. Você pegou no flagra. Mas agora você está olhando e… ele tá reparando, não está? E aquele… ele… um… sorriso? Não, mas você já se magoou demais. Tem uma bagagem longa, quase um tratado sobre esse assunto. Não vai errar de novo. Não vai ser burra a esse ponto! E se ele não for confiável? E, ah, se ele te magoar, como é que você faz? Não quer errar de novo. Mas talvez… talvez errar seja não tentar… não é?… =) Le Moulin traz mil perguntas à sua cabeça, e agora, bem, talvez você não queira calá-las (palavra estranha o_O).

À altura de Pas si simple, você já sabe que é um caso perdido. Sentiu a bossa novinha em folha? Pois é. Sempre tem uma bossa nova por trás dessas coisas… mas isso não significa que você vá dar o braço à torcer. Né?

La Valse d’Ámelie (Orchestre) tem outro ritmo, mais contido, mais discreto. Sem medo do passo-a-passo. Muita calma nessa hora. Você já aprendeu um milhão de coisas, ah, você não é mais a mesma. Mas não vê a hora do gran finale! Com… com muita serenidade, é claro.

Opa! Hora de dar as boas novas aos amigos. La valse des vieux os pede uma dancinha de comemoração. E quando você acha que acabou, epa, tem mais! Aquela outra amiga traz novidades. Aquele ali tá tão feliz por você. Tudo termina em uma roda de bar sem hora pra acabar, entre as pessoas que você mais quer por perto nesse mundo. (E por mim, música de festa junina podia ser exatamente assim)

Gravação não-oficial-mas-muito-parecida-com-a-original de La Dispute, a música que vem trazer mais emoção pro dia-a-dia da família mais querida do Brasil. Algo inesperado surgiu. Alguma coisa no trabalho, um recado do amigo. A vida tem dessas surpresas. E quando você achava que as coisas podiam estragar mais uma vez, não!; é só mudança. É uma fase. Já vai passar.

Viu só como era uma fase? Deu tudo certo, s’a pessimista! Vamos comemorar! Bota a mesa que hoje vai ter festa. Muita comida e uma rodada de flauta pra galera. Vale até pagar mico e acabar a noite fazendo danças típicas em cima da mesa. Hoje ninguém vai te impedir.  E às últimas notas de Soir de Fête, ô, soninho…

Uma música-passagem para os momentos-passagem da vida. A rotina só é rotina porque você quer, dear. Recarregar o bilhete único pode ser uma experiência emocionante. E viva às pequenas descobertas em La Redécouverte.

Más notícias. Essas são barra-pesada, mas… por alguma razão, você já as esperava. A vida tem mesmo dessas. E você mais consola do que chora. Tem horas que a gente não sabe de onde encontra força e caminha mesmo Sur le fil

Você se dá um momento pra digerir a coisa. Tristeza é um negócio pessoal e de digestão lenta. Sim, é La Valse d’Ámelie de novo, Piano Version. Acho que você reparou que ela tem muitas valsas. Cada um tem as suas. E aí, quanto tempo vai durar a sua?

And here we go. Você já aprendeu que a vida continua, não é? Bola pra frente. Tristeza e vontade de chorar, sim, são permitidas. Mas você mesmo não as tolera como antes. Se a tristeza maior, a subida também tem que ser. Le Banquet está servido.

Os créditos tão subindo, minha gente! Aí é por conta de cada diretor: se a vida vai ser lançada em DVD na versão do diretor ou toda editada, remasterizada e dublada pela Herbert-Richards, a vontade é sua. O importante é sair por cima, e La Valse des Monstres faz exatamente isso.

E com isso eu encerro esse post todo amelizético e tierseniano. Gostaram? Não ouviram nada? Tudo bem, sem ressentimentos. São tipo… 18 vídeos? Sei lá eu. Mas tô feliz. E toca La Valse des Monstres que eu vou lá saracotear enquanto ainda tenho créditos e protagonistas. Beijotchau!

Anúncios

7 comentários a “A trilha sonora da vida devia ser Yann Tiersen

  1. Que saudade de vir aqui comentar!!!!

    E Amélieeeee!!!!! *_*³³³³³
    Essas músicas são tudibom!!! E eu vou rever sexta-feira que vem no cinema da facul!!!! Ahhhh nem acredito!!! Amélie em tela graande!!! *-*

    Saudade Cláuo!!
    :*

  2. Ameeei!
    Ouvi todos os videos e me apaixonei!
    Só q sou meio burra em relação as coisas da net… como eh q eu baixo esses videoas do youtuba para salvar no meu pc?
    Pena q eu ainda num assisti o filme… mas vou procurar logoo!!
    bj

  3. Toda vez que vejo Amelie me lembro de vc…
    não que eu veja mto… eu tenho ele aqui ai eu vejo quando eu quero ver se ja dou conta de entender ele todinho sem legenda… o que dá porque eu ja vi tanto que decorei as falas u.u ai não vale =P
    lalala
    amei esse post!!!
    realmente essa devia ser a trilha sonora da vida
    =D

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s