bum.

“It means that we’re just dolls. We don’t have a clue what’s really going down, we just kid ourselves that we’re in control of our lives while a paper’s thickness away things that would drive us mad if we thought about them for too long play with us, and move us around from room to room, and put us away at night when they’re tired, or bored.”

Quando eu era pequena, sabe do que eu tinha medo? Do céu. É a pura verdade. Eu morria de medo de olhar pras estrelas, medo mesmo, medo-pavor. Não sei o que me dava. Quando eu descobri que aquilo que eu via não era mais que o passado do céu, encarar o brilho eterno de Vênus e Marte se tornou ainda mais insuportável. Medo de fantasma. Ainda hoje não tenho uma relação muito simples com as estrelas. Vocês não tem ideia de como isso empobrece minhas referências. Tsc.

Acho que essa história de passado sempre mexeu comigo. As lembranças, sabe? Sempre fui uma jóia rara pra perder memórias. Esqueço de tudo, ou melhor, “esqueço”. É um jeito de facilitar as coisas, deixá-las assim, na superficialidade. A gente não tem como remexer no pasto sem sentir aquele leve cheirinho de merda. Eis uma proud procrastinadora falando.

Mas agora tô aqui, incapaz de esquecer. Incapaz de deixar qualquer coisa na superficialidade. Chorando com Up!, pensando em perda de memória  de verdade (culpem o meu curso de teatro) e com uma cabeça verborrágica. que não cala a boca. Ando topando qualquer parada, qualquer drama.

No fundo, a vida é isso, não é? Topar ou não topar. Descer do salto e dos muros e assumir, ou não descer e não assumir. Aproveitar. Ou não. Eu já neguei tudo que tinha pra negar, essa  coisa louca de arrastar as frustrações pra um baú. Tchanã! O baú explodiu e não foi de felicidade. O baú foi pelos ares. Mas isso já é demais. Topar tudo? Nem por dinheiro.

Eu, que tenho tanto bloqueio com o passado, tento apostar no futuro. Como uma mãe da minha eu-futura, quero o melhor pra ela. Quero que ela não sinta faltas, dores nem medos inadequados. Quero que ela tenha passado por todas as crises imbecis e momentos inadequados de interação social. Quero que ela, sim, olhe pra trás e veja que errou pouco. Ou errou muito. Fez qualquer coisa! E teve ao lado os melhores amigos.

Mas isso tudo é besteira, vocês sabem. Planejar é fácil. Esquecer do passado é simplesmente uma fuga burra. Vocês sabem disso, eu também sei. Engraçado.

Agora, meu foco é perder o medo de olhar pro céu. Quero poder apontar as estrelas, Vênus, Marte e Mercúrio, e sentir que fiz a minha pequena parte . Quero significado que não tenha significado além do próprio momento. Não quero explicar com palavras. Não quero imaginar. Quero só, inacreditavelmente, viver.

E ter alguém do meu lado nessa hora.

É só. É muito, mas é só.

6 thoughts on “bum.

  1. Você consegue superar seu medo de céu, sim, é aos poucos mas é melhor do q deixar de tentar, n? E quanto às lembranças, acho q vc é apegada à elas, as q vc n esquece, as q vc esquece, bem, talvez elas n sejam tão importantes…Pior eu q esqueço as importantes e as desimportantes..rsrs..
    Bjs!!
    =1

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s