Se joga no buquê

Acabei de ver Orgulho e Preconceito (uhum, vem mais por aí :P) e resolvi assistir aos extras. Deus, são muitos extras, mesmo, mas um deles me chamou a atenção, não que fosse exatamente uma novidade: falava sobre casamentos no final do século XVIII, início do XIX. Aquela coisa toda de que pessoas de classes sociais diferentes não poderiam, em tese, se casar. Eram anos difíceis para os sonhadores – Jane Austen included. Tadinha.😦

Mas enfã, os casórios. Hoje em dia ninguém mais combina casamentos ou troca alianças para saldar dívidas familiares – ou em tese, ao menos. As pessoas casam porque… hum. É uma boa pergunta. Seria exagerado dizer que as pessoas, hoje em dia, pretendem se unir por toda a eternidade com seus pares… principalmente porque a eternidade tá durando cada vez mais. Eta eternidade que não chega logo.

Quando o povo todo morria aos quarenta anos, não era difícil ficar casado até que a morte os separe. Atualmente, senhôures de 90 anos fazem cooper, e casais juntos há quarenta anos pensam em divórcio (ou pelo menos é o que consta em O Círculo de Giz Caucasiano, do Brecht – texto ótemo, por sinal). Afinidades, aparência, cumplicidade são muito mais importantes para determinar a longevidade de um casamento do que eram há dois séculos. Aliás, ninguém cogitava o divórcio na época da Jane; ficava mal-visto, mal-falado, mal-tudo.

Acho que o casamento não é mais a razão de vida de ninguém, é uma decisão menos apressada (ou bem o contrário ahueha). Homens e mulheres podem se dar ao luxo de ter pavor de compromisso ou trocarem de par como numa quadrilha, um viva ao século XXI! E não, não tô sendo irônica não.

Utopia ligou e mandou dizer que quando a gente se casa por livre e espontânea vontade, tem mais chances de dar certo. Afinal, escolhemos nossos pares depois de uma seleção que daria inveja ao InMetro. Talvez não seja assim, mas é legal acreditar que temos liberdade de escolha, sem precisar torcer para que um Mr. Darcy dos bons caia no nosso colo, lindo, leve, rico! e totalmente apaixonado.

5 thoughts on “Se joga no buquê

  1. Nunca vi Orgulho e Preconceito, me mata =/
    Mas oh, comentei no blog da Mary que eu acho que o casamento de hoje não dura muito porque a galera namora dois, três anos e já pensa em casar. Não rola mais aquela certeza absoluta do que o casamento representa na vida…

    Mas eu quero casar. Chama o noivo?? Haha

  2. Ainda bem que hoje mulher que nao casa nao fica pra titia =P
    E que maes podem muito bem ser solteiras o//
    e eu amo orgulho e preconceito…

  3. Ameei seu post, colega!
    Eu fico em dúvida se vou ou não casar..hoje em dia o status “sou casada” é tão banalizado..
    Casamentos que duram três horas, outros que ainda conseguem sobreviver ao “eternamente, na saúde e na doença”…
    Eu também acho que as mulheres conseguem muito bem se virar sem um marido pentelho.
    beeeeiijoooos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s