I’ll make you sure about it

Eu desconfio loucamente das músicas de amor, antes de pensar em gostar delas. Primeiro, porque eu sou naturalmente revoltada com manifestações piegas – birra que se torna realmente especial nos dias 12 de junho – e já disse, em outros tempos, que neguei muita Toni Braxton pra começar a desandar agora. É. Eu disse isso.

Mas hoje vai rolar um post sobre músicas de amor. Na verdade, sobre uma apenas!, que nos últimos dois dias têm ecoado com freqüência entre os meus neurônios. Tem tanto espaço livre entre as minhas queridas terminações nervosas que a música fica simplesmente pinguepongueando de um lado pro outro, ora aparecendo, ora sendo engolida pelo limbo mental e dando espaço a falas da Disney ou cenas do cotidiano bizarras que ainda vão aparecer por aqui.

Tenho que deixar uma coisa bem clara, claríssima, antes de continuar. Música de amor (insira sinal de “diferente” aqui) lovesong. Lovesongs são aquelas que costumam aparecer arrebanhadas em CDs cujo título, na maioria dos casos, poderia ser usado como fala de impacto de Paulina Bracio, ou tratam-se de palavras cantadas por pessoas que até, pode-se dizer, são talentosas, mas um tanto quanto fake; sentimentalismo demais não convence, não dá. E as músicas de amor são… de amor, simplesmente amor, e sim, existiu um trocadilho ínfimo e infame aqui, que você não percebeu porque eu ainda não disse que a música toca em “Simplesmente Amor”. Essa canção aí, que até post ganha, fala de amor, não importa de que tipo. Pode se aplicar à sua família, assim como no caso do compositor; mas também ao seus amigos, às suas platonices. É uma música-de-amor-sem-precisar-de-agudos-medonhos.

God Only Knows. Beach Boys. A canção “tudo-termina-bem” de “Simplesmente Amor”, um dos melhores filmes que eu já vi. “A mais bela balada já inventada”, ou algo assim, segundo um tal McCartney. A música “moçada, a gente cresceu” dos Beach Boys, segundo o Sérgio Machado, crítico de música da não Veja. Da primeira vez que ouvi essa música, que eu me lembre, tive alguns colapsos amigáveis, de verdade. Senti que a vida podia ser mesmo uma coisa bacana, vejam só – mas pode ser culpa do Santoro também. Ou do Colin Firth. Aaaah, Colin Firth…

Caham, voltando. É uma canção linda, cara. Linda, linda mesmo, os instrumentos iniciais maravilhosos, aquela aura Beatle absurda em cada acorde. Mas ser apenas um sonzinho bonito não é um mérito, vamos ser sinceros. Tem muita música maravilhosa por aí. Existem bandas talentosas de fato, isso não é a grande novidade. Só que essa música tem um elemento Kellok’s, apesar de não despertar o tigre em você: alguma coisa especial. Uma certa magia escondida em um ponto estratégico no meio de tantas notas, que faz você ouvir o mesmo refrão milhares de vezes e mesmo assim não enjoar.

Mas é aqui que começa a supimpa mágica. Depois da quinta rodada de God Only Knows, resolvi ir atrás da letra, só pra ter certeza de algumas palavrinhas que apareciam na música, e…

Bom, deixo o resto com vocês. Coloquem a música pra tocar (o que pode ser tranqüilamente feito ao clicar aqui, porque eu sou super legal e Youtube é salvador), antes de mais nada, e depois cliquem aqui. Mesmo que não seja para ler a letra, dêem uma olhadela básica nos depoimentos, principalmente o de uma moça (será moça? será de verdade?..) chamada Nancy. Não é nada de inédito, mas… ah, julguem vocês mesmos.

E… circulando, circulando, que hoje eu tô sentimental!! >/

4 thoughts on “I’ll make you sure about it

  1. Ui, tadinha da moça. A Nancy, quer dizer.

    Pode me chamar de desinformada mas eu não conheço essa música. Já ouvi falar do filme, mas também não vi.

    Bom, o problema da música a Cláu (posso te chamar de Cláu?) já resolveu. Me lembra os Beatles também, e tem essa aura de magiiiia *fascinada*

    E o filme, verei em breve, depois de toda essa propaganda (;

    Nem me apresentei nem nada, só me cheguei no blog e já fui comentando… Luiza, prazer. Eu leio os textos aqui no Desiluminância faz um tempinho (mentira, tempão mesmo) desde aquele passado no blogger.com, com contos de fadas, e fascinação por ruivos (que eu compartilho) e etc, etc.. e simplesmente adoro.

    Agora comecei o meu próprio blog, e tenho a leve sensação de que não vai dar certo, mas a vida é feita de tentativas! Acho.

    Tá, chega de ocupar espaço. De vez em quando eu volto a aparecer por aqui.

    Beijo!

  2. Cláu querida!

    Senti uma pontinha de… “Cultismo” nisso tudo.
    De qualquer jeito, a música é boniiita, e o filme é mais ainda *-* (ignorando Roddy Santoro totalmente)

    E eu tô descobrindo um universo bloguístico mágico, preciso te contar!
    Beijocas

  3. AH ESSA MÚSICA *-* Ela é linda. Boa pra cantar junto e também pra deixar cantar enquanto você bate seus dedinhos na mesa, no ritmo.

    Mas tooda essa GodOnlyKnowsidade foi usada de um jeito tão tão tão sacana num seriado que eu não consigo mais ouvir. Vê se isso não é injusto hein?

    E OH *-* Santoro. O parzinho dele me lembra a Ginny Weasley. Se o Harry tivesse morrido, sei lá. E ela fosse trabalhar com o SNAPE. Porque ele pensa que a gente não sabe, mas a gente sabe. 8D Aquela voz é defééécel de esconder.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s